[ editar artigo]

Gerar valor: o desafio do RH contemporâneo!

Gerar valor: o desafio do RH contemporâneo!

Em meados da segunda década deste século, a revolução digital já havia transformado muitas empresas do exterior, remodelando a forma como vivemos e a maneira como trabalhamos devido ao grande volume de dados gerados pela população mundial e pela velocidade das mudanças, o que tornou quase impossível prever-se o futuro com algum grau de certeza. Sendo assim, diante de tantos desafios, o Setor de RH veio abraçando o People Analytics como alternativa simples e prática para lidar com as questões da contemporaneidade.

Conforme o Portal da Fundação Instituto de Administração[1] (2018) e da Sociedade Brasileira de Desenvolvimento Comportamental (2017), o conceito People Analytics surgiu na gigante tecnologia do Google, no final da última década do século XX, sendo Mike West um dos fundadores da prática. Porém, só a partir de 2007 foi que o Google implantou efetivamente esse método na mídia através da plataforma Google Analytics, no momento em que recebia cerca de ‘15’ mil currículos por dia. Entretanto, ele não foi o pioneiro nessa prática porque a virada do século (de 1990 para o ano 2000) foi um período de grande expansão da informatização em todo o mundo, o que passou a exigir mudanças nas empresas para participação no mercado, abrindo as portas do empresariado para o mundo virtual. Atualmente, há um grande número de empresas em todo o mundo atuando em “Consultoria” com a ferramenta People Analytics, porém não encontramos outras plataformas gratuitas de propagação deste sistema além do Google (SBDC, 2017). 

De acordo com afirmativas dos autores Ulrich e Dulebohn (2015), a área de RH tem como meta principal gerar valor e, para isto, precisa estar conectada ao plano estratégico da empresa, tanto no contexto dos negócios que moldam a tomada de decisão e partes interessadas, como também nos objetivos e metas definidos pela organização. Portanto, podemos concluir que o alinhamento do Setor de RH à organização é fundamental para o sucesso do planejamento e bom andamento da engenharia de produção (ULRICH; DULEBOHN, 2015).

Este início de século desperta aos profissionais de Recursos Humanos, a oportunidade de reconduzir a área de RH a uma área estratégica, de forma a gerar resultados esperados á organização. 

 


[1] Portal da Fundação Instituto de Administração (FIA), de 18 de outubro de 2018, na pesquisa “People Analytics: o que é benefício e como aplicar”. Disponível em: <https://fia.com.br/>.

Futuro dos Negócios
Roberto Bezerra Nobrega
Roberto Bezerra Nobrega Seguir

Engenheiro Industrial Mecânico, com Especialização em Administração da Produção, Mestrado em Administração na linha de Gestão da Inovação e Doutorando em Gestão de Pessoas na linha de People Analytics.

Ler matéria completa
Indicados para você