[ editar artigo]

People Analytics e Big Data: dados e análises

People Analytics e Big Data: dados e análises

Reconhecidamente, a evolução tecnológica da Indústria para ‘4.0’[1] vem influenciando as organizações a repensarem em seus processos em busca de inovação, objetivando o aumento da produtividade. Neste contexto, o Setor de Recursos Humanos tem buscado estratégias inovadoras para implementar o Processo de Recrutamento e Seleção de Pessoas, visto que ele tem a necessidade de identificar e/ou desenvolver novos talentos, de maneira que venham proporcionar resultados positivos para as empresas, reduzindo substancialmente o número de contratações equivocadas ou inadequadas as suas necessidades.

O termo “Big Data”, em Tecnologia da Informação (TI), se refere a um grande conjunto de dados gerados e armazenados, com os quais os aplicativos e/ou ferramentas tradicionais de processamento não conseguem lidar em um tempo adequado e necessário porque eles são gerados constantemente e em grande volume. Para se ter uma ideia mais exata sobre esse assunto, segundo Eric Schmidt, CEO[1] da Google em relato na Economist Intelligence Unit (EIU)[2] de 2012, texto de abertura do evento, parágrafo 1º: “{...}o mundo cria cerca de cinco exabytes[3] de dados a cada dois dias {...}”, o que corresponde à quantidade criada do início da nossa civilização até o dia 30 de dezembro de 2003.

Sendo assim, coletar e armazenar dados é apenas parte das soluções proporcionadas pelo Big Data, cujo foco principal é a sistematização da coleta, armazenamento e processamento de dados. Ele requer a atuação de profissionais capacitados que pensem de forma estratégica e saibam planejar. Portanto, o Big Data consiste, segundo informações do Google[1], na análise e a interpretação de grandes volumes de dados de imensa variedade e, para isso, são necessárias soluções específicas que permitam a profissionais de “TI” trabalhar com informações não-estruturadas (que não têm relação entre si e nem uma estrutura definida) a uma grande velocidade.

O Portal Indústria Hoje[2] afirma no editorial “Redação Indústria Hoje”, de 16 de novembro de 2014 (p. 1), que:

“{...} o termo “big data” surgiu nos anos 90, quando a NASA quis descrever grandes conjuntos de dados complexos com a tecnologia existente. Porém, quando manipulado, esses dados se tornam uma região de conhecimento transversal que compreende vários campos produtivos e de pesquisas científicas {...}”.

Prosseguindo com as afirmativas do editorial do Portal Indústria Hoje (2014), o Big Data se baseia nos “5V’s”, que são: valor, volume, velocidade, variedade e veracidade, onde valor é o investimento necessário para gerar retorno para as empresas, melhoria da qualidade dos serviços e aumento de receita; o volume se refere à enorme quantidade de dados que são gerados a cada dia; velocidade é a forma como se deve gerenciar essas informações: com dinâmica para que não percam o seu valor; variedade refere-se à origem de uma multiplicidade de canais distintos (como e-mails, mídias sociais, sensores e muitos outros); e veracidade porque são oriundos de fontes reais.

Assim, podemos afirmar que o Big Data pode ter múltipla utilidade (comunicação, publicidade, administração, pesquisas, e etc.), auxiliando as organizações a obterem melhores resultados na contratação e atração de pessoas, além de fornecerem dados de forma inteligente para a tomada de decisões mais assertivas (MCLEAN; et al, 2016).


[1] Portal de Informação do Google, 2018: “O que é o Big Data?”; disponível em: <http://www.google.com/>.

 

[2] Portal “Indústria Hoje” disponível em: <https://industriahoje.com.br/o-que-e-big-data-e-para-que-serve>.

 


[1] CEO é a sigla inglesa de Chief Executive Officer, que significa Diretor Executivo em Português. CEO é a pessoa com maior autoridade na hierarquia operacional de uma organização. É o responsável pelas estratégias e pela visão da empresa.

 

[2] A Economist Intelligence Unit é uma empresa britânica do Economist Group que fornece serviços de previsão e consultoria por meio de pesquisa e análise, como relatórios mensais de países, previsões econômicas nacionais de cinco anos, relatórios setoriais e de serviços de risco para vários países.

 

[3] Segundo informação do Google, trata-se de unidade de medida de informação que equivale a ‘1 EB’ (1.000.000.000.000.000.000 Bytes, segundo o Sistema Internacional), mas comumente se usa como sendo 1 EB = 1 152 921 504 606 846 976 Bytes = Exbibytes (nomenclatura  recentemente lançada).

 

 


[1] Portal Indústria Hoje – Notícias e Informações da Indústria Brasileira, disponível em: <https://industriahoje.com.br/>. 

Indústria do Amanhã

Futuro dos Negócios
Roberto Bezerra Nobrega
Roberto Bezerra Nobrega Seguir

Engenheiro Industrial Mecânico, com Especialização em Administração da Produção, Mestrado em Administração na linha de Gestão da Inovação e Doutorando em Gestão de Pessoas na linha de People Analytics.

Ler conteúdo completo
Indicados para você